07 dezembro 2009

vida de borboleta


ia de olhos no chão. quem sabe agora se seria por medo de cair
numa das ratoeiras que a cidade estende
como uma passadeira interminável?

ia cansada. nem triste nem alegre. só cansada. a precisar de campo. como sempre e a não o poder ter.

ao lado havia vozes. logo havia mais gente no caminho. não olhou. eram vozes jovens. não precisavam dela.

o chão sim. parecia puxá-la como abismo em dia de vertigem. focou melhor a calçada a preto e branco.

uma minúscula e leve forma acastanhada chamou-lhe a atenção. era uma borboleta. com as asas viradas para cima. uma oração?

não se baixou mas parou a olhar. a pensar que gostava de ter uma vida curta e breve. mas não uma vida castanha.

branca ou preta talvez. castanha não.

terá sido um melro a soltar o insecto do bico em pressa de fugir de uma gaivota?

o que a terá feito morrer ali. entre automóveis e gente indiferente?

image by Lynze Lane

se ela tivesse vida de borboleta e pudesse escolher deixava que o vento a arrastasse para morrer junto ao mar. o fim dos rios todos.

entrou em casa. nem alegre nem triste só mais cansada agora. a vida era já longa. demais.

têm sorte as borboletas. cumprem a função na terra e deixam-nas partir...

5 comentários:

  1. "têm sorte as borboletas. cumprem a função na terra e deixam-nas partir...!
    É amiga, quem me dera ser hoje uma borboleta para poder igualmente partir...

    ResponderEliminar
  2. lembro-me do livro : "os cavalos também se abatem". bj mana

    ResponderEliminar
  3. Amiga
    Porque o amor é real, tenho um desafio inédito no meu espaço.
    Aceita-o. Apenas necessita de um pouco de intuição.

    http://sonhoemmim.blogspot.com/

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. é mesmo só para abraçar um rio antes que se faça desaparecido na areia. E apanhar uma borboleta para a levar ao mar. Bjs MP

    ResponderEliminar